Pleco Vampiro L-240: Guia Completo para Cuidados

Os Peixes-vampiro são lindos peixes de água doce que muitas pessoas adoram ter. Seus requisitos de manutenção simples e beleza realmente os destacam!

Abaixo, você aprenderá tudo o que precisa saber sobre o cuidado com o Peixe-vampiro.

Tabela de conteúdos

Resumo da Espécie

Se você está procurando por um habitante do fundo chamativo para animar seu aquário, o Peixe-vampiro (Leporacanthicus cf. galaxias) é uma escolha fantástica. Este peixe de água doce também é conhecido como o Pleco Galáxia ou L-240 no sistema de classificação científica dos bagres.

Eles são nativos do sistema de drenagem do Rio Orinoco na Colômbia. Um peixe similar reside no próximo Rio Tocantins no Brasil. Enquanto muitos acreditam que as duas espécies são as mesmas, os Peixes-vampiro têm algumas diferenças físicas sutis que os tornam únicos.

Com sua coloração e marcações distintas, o Peixe-vampiro é uma visão de se admirar! Apesar de passar seu tempo no fundo do tanque, é um peixe chamativo que continua a cativar entusiastas em todo o mundo.

Aparência

Os Peixes-vampiro têm uma silhueta semelhante a outras populares espécies de bagres de água doce. Eles têm uma parte inferior plana, uma boca virada para baixo para roer algas e nadadeiras expansivas.

Esta espécie tem uma nadadeira dorsal alta e raiada que geralmente fica plana contra as costas. No entanto, pode levantar a nadadeira para nadar em correntes fortes. As nadadeiras caudal, peitoral e pélvica também têm delicadas nervuras. Elas são bastante grandes, criando um perfil bem definido.

Quando se trata de cor, a maioria dos Peixes-vampiro é de preto escuro. Alguns também podem ser marrons ou cinzentos. Pequenos pontos brancos e amarelados adornam o corpo. Os pontos cobrem cada centímetro do corpo superior, incluindo as nadadeiras.

Nota do Autor: O dimorfismo sexual é sutil. No entanto, os machos tendem a ter cabeças mais longas e mais largas do que as fêmeas.

Tamanho Médio do Peixe-Vampiro

O tamanho típico do Peixe-vampiro é de pouco menos de 10 polegadas de comprimento para um peixe adulto completamente desenvolvido. Eles não são tão grandes quanto outros tipos de cascudos, mas certamente exigem espaço significativo e um habitat subaquático bem projetado.

Ludwigia Repens: Guia para Cuidados com Esta Planta de AquárioLudwigia Repens: Guia para Cuidados com Esta Planta de Aquário

Expectativa de Vida

Em boas condições de vida, eles podem ficar com você por muito tempo. Os Peixes-vampiro têm uma expectativa de vida que pode chegar a 15 anos quando recebem os cuidados adequados.

É impossível determinar uma expectativa de vida garantida, pois vários fatores contribuem para a saúde e o bem-estar geral de um peixe. Além da genética, tudo, desde condições ambientais até a dieta, faz diferença.

Cuidados com o Peixe-Vampiro

Os Peixes-vampiro são comparáveis a outras espécies de bagres da América do Sul em termos de dificuldade de cuidados. Esses peixes de água doce têm hábitos únicos e necessidades especiais que você precisa suprir.

Felizmente, mantê-los felizes e saudáveis não é difícil se você seguir essas diretrizes de cuidados estabelecidas.

Tamanho do Aquário

Uma das partes mais importantes do cuidado com o Peixe-vampiro é escolher um aquário de tamanho adequado. Não se deixe enganar pela natureza de habitante do fundo desse peixe. Ele ainda precisa de bastante espaço para nadar, explorar e procurar alimento.

Um único adulto deve viver em um aquário com pelo menos 50 galões. Esse é o mínimo absoluto. Se você tiver condições de ir maior, aquários de 75 galões são uma escolha muito melhor.

Nota do Autor: Você pode manter juvenis mais jovens em aquários menores de 30 galões. Mas assim que eles crescerem mais do que três polegadas, você precisará fazer uma atualização.

Parâmetros da Água

O Peixe-vampiro se origina no sistema fluvial do Rio Orinoco. Embora seja tecnicamente um sistema separado, as condições são semelhantes às do Rio Amazonas. O objetivo ao estabelecer as condições da água é imitar o ambiente natural do peixe o mais próximo possível.

Esses peixes preferem água morna e levemente ácida. Os Peixes-vampiro são relativamente tolerantes a uma ampla gama de condições. No entanto, é melhor aderir aos seguintes parâmetros e concentrar-se na estabilidade a longo prazo.

  • Temperatura da água: 72°F a 82°F (por volta de 76 a 78 graus é o ideal)
  • Níveis de pH: 5,6 a 7,0 (leve acidez é preferida)
  • Dureza da água: 8 a 12 KH

Nota do Autor: Certifique-se de investir em um kit de testes de água de aquário confiável e preciso. Isso lhe dará a capacidade de monitorar rapidamente esses parâmetros e garantir que seus peixes estejam vivendo em condições saudáveis.

Mbu Puffer Fish: Guia de Tamanho do Tanque e CuidadosMbu Puffer Fish: Guia de Tamanho do Tanque e Cuidados

O Que Colocar No Aquário Deles

Aqui é onde você pode começar a ficar um pouco criativo. Para decorações, crie uma configuração que imite os riachos de águas rápidas com os quais esses peixes estão familiarizados.

Comece instalando uma bomba de água com uma cabeça potente. Os Peixes-vampiro preferem fluxo moderado a alto. Não só imita as corredeiras do rio, como também cria um ambiente altamente oxigenado.

Em seguida, adicione o substrato. Os Peixes-vampiro se saem melhor com cascalho fino ou areia. Sobre isso, adicione galhos, pedras e plantas.

Dê ao seu Pleco muitos lugares para se esconder. No entanto, certifique-se de que haja espaço suficiente para se movimentar. A última coisa que você quer fazer é superlotar o tanque.

Não se esqueça de adicionar vários pedaços de galhos. A madeira acumula algas para petiscar. Os Peixes-vampiro também podem roer a madeira diretamente para ajudar na digestão.

Possíveis Doenças Comuns

Os Peixes-vampiro podem sucumbir a todas as mesmas doenças que qualquer outro peixe tropical de água doce. Ich e infecções fúngicas são as condições mais comuns que afligem os cascudos.

O Ich é uma doença parasitária que muitas vezes é um subproduto do estresse. Ele faz com que pequenos pontos brancos se formem por todo o corpo do peixe. Infelizmente, a condição é muito contagiosa e pode se espalhar rapidamente para outros companheiros de aquário.

A doença plecostomus também é comum. É um problema fúngico que resulta em crescimentos brancos ou acinzentados que se parecem com bolas de algodão.

Nota do Autor: Ambas as doenças são tratáveis com métodos de quarentena e medicamentos. No entanto, você tem que ter cuidado ao escolher medicamentos. Os Peixes-vampiro podem reagir negativamente a medicamentos à base de cobre.

Alimentação e Dieta

Esses peixes vão roer as algas que se acumulam ao longo do tanque, mas não podem contar apenas com algas de aquário para permanecerem saudáveis.

Peixe Espadarte 101: Cuidados, Tamanho e ReproduçãoPeixe Espadarte 101: Cuidados, Tamanho e Reprodução

Os Peixes-vampiro são peixes amantes de proteína! Eles são carnívoros escavadores que se alimentam de todos os tipos de alimentos à base de carne na natureza.

Além de grânulos e alimentos comerciais que afundam, forneça uma dieta carnuda de alimentos secos, vivos e congelados. Você pode dar ao seu Peixe-vampiro artêmias vivas, vermes de sangue, camarão de mercado picado e outros alimentos comuns para peixes.

Ocasionalmente, legumes cozidos no vapor e pastilhas de algas também serão apreciados.

Comportamento e Temperamento

O temperamento de um Peixe-vampiro depende muito do seu ambiente.

Quando esse peixe tem tudo o que precisa, ele é bastante pacífico. Como um habitante de fundo, ele não presta muita atenção ao que está acontecendo acima. Ele só se importa em procurar comida e ficar confortável entre as decorações.

Em um aquário bem projetado, esse peixe é bastante passivo e tranquilo.

No entanto, pode demonstrar tendências semiagressivas em aquários superlotados ou mal decorados. Esse peixe pode ficar muito territorial. Ele não gosta de compartilhar e tentará lutar com outros habitantes do fundo.

O comportamento agressivo é mais comum em aquários que não oferecem espaço suficiente. Por exemplo, aquários pequenos, lotados ou estéreis quase sempre causam problemas. Os Peixes-vampiro precisam de espaço para procurar comida e de muitos lugares para se esconder. Caso contrário, eles ficarão um pouco mais territoriais.

Companheiros de Aquário

Os Peixes-vampiro são ótimos peixes comunitários. No entanto, você precisa planejar a comunidade estrategicamente.

Primeiro, evite colocar outros habitantes de fundo no aquário. Você pode adicionar outros cascudos, mas o aquário precisa ser bastante grande para garantir que disputas territoriais não se tornem comuns. Certifique-se de que existam muitos locais de esconderijo para que cada peixe possa encontrar um lugar seguro para ter paz.

Muitos aquaristas optam por se concentrar em companheiros de aquário que ocupem as partes média e superior da coluna de água. Os Peixes-vampiro são ótimos com peixes de cardume. Apesar de seu grande porte, essa espécie de água doce até pode coabitar com pequenos tipos de tetras e vivíparos!

Sua melhor aposta é escolher outros peixes pacíficos de rios tropicais da América do Sul.

Alguns bons companheiros para o Peixe-vampiro incluem:

Reprodução

Reproduzir Peixes-vampiro em cativeiro é difícil, pois as condições que desencadeiam a desova não são fáceis de criar. É possível, mas você precisará investir em um grande tanque de reprodução e equipamentos adicionais.

Comece configurando um tanque de 100 galões. Como o aquário principal, crie um fluxo de água moderado a alto com uma bomba. É importante adicionar vários esconderijos também.

Os Peixes-vampiro gostam de se reproduzir em cavernas. Para aumentar a probabilidade de desova bem-sucedida, adicione grandes cavernas artificiais. Vasos de flores virados também funcionam bem.

Adicione cerca de dois pares reprodutores. Para desencadear a desova, você precisará simular a estação seca da América do Sul. Faça uma lenta troca de água com água fresca cerca de dois graus mais fria.

À medida que as condições da água mudam, os peixes maduros devem começar a se reproduzir. Eles depositarão ovos nos lados das cavernas e vasos. Depois que a desova for concluída, remova os adultos para maximizar as taxas de sobrevivência dos ovos.

Os ovos eclodem em cerca de cinco a sete dias. Depois que absorverem o saco vitelino, você poderá alimentar os bebês com comida em pó e náuplios recém-eclodidos de artêmias. Certifique-se de manter um fluxo de água considerável e condições de água de primeira para manter os alevinos saudáveis.

Conclusão

Os Peixes-vampiro são relativamente fáceis de cuidar e muito divertidos de assistir! Seu design incrível nunca fica velho, e sabemos que muitos proprietários passam horas apenas observando esses peixes de água doce.

Avise-nos se tiver alguma dúvida sobre esta espécie ou se tiver histórias sobre ser proprietário de um que gostaria de compartilhar. É sempre divertido ouvir de nossos leitores!

Maria Oliveira

Maria é uma entusiasta da aquariofilia, dedicando seu tempo livre ao cuidado de seus aquários meticulosamente montados. Apreciadora da tranquilidade que seus peixes proporcionam, Maria mergulha profundamente no estudo das diferentes espécies, tornando-se uma referência em seu círculo social para tudo que diz respeito a esse fascinante hobby. Com paciência e dedicação, ela cultiva não apenas belos ambientes aquáticos, mas também um espaço de serenidade e beleza em sua própria vida.

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go up

Usamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar usando este site, assumiremos que você concorda com isso. Mais informações