Ruby Tetra 101: Cuidados, Tamanho do Tanque e Alimentação

Os tetra rubi são adoráveis peixes de água doce que podem ser uma alegria para se possuir. Com suas cores brilhantes e pequeno tamanho, esta espécie criará um belo brilho de cor no seu aquário.

Este guia vai passar por tudo o que você precisa saber sobre o cuidado adequado com o tetra rubi, para que você possa estar preparado quando decidir ter alguns para si mesmo!

Tabela de conteúdos

Resumo da Espécie

O tetra rubi (Axelrodia riesei) é um membro menos conhecido da família Characidae. Uma descoberta relativamente nova em comparação com outros peixes estabelecidos, esta espécie apareceu pela primeira vez em 1988.

Estes peixes são exclusivos da parte superior do Rio Meta na Colômbia. Eles são encontrados em tributários e riachos menores da área, mas não se aventuram muito além dos limites de suas águas ancestrais. Por esta razão, os tetras rubi não são tão difundidos como outros tipos de tetras.

Um tetra rubi nadando perto do substrato

Se você tem a sorte de conseguir alguns tetras rubi, tem vários anos de diversão pela frente! Graças à sua coloração brilhante e natureza de cardume, esses peixes são uma visão de se admirar em aquários bem decorados. Pequenos e pacíficos por natureza, eles são excelentes adições para aquários nano e pequenos aquários.

Aparência

Apesar de seu pequeno tamanho, os tetras rubi têm um grande impacto visual!

Eles têm o corpo em forma de torpedo característico de outras espécies de tetra. A cabeça é arredondada e cheia. Enquanto isso, a extremidade da cauda se estreita em uma cauda bifurcada.

As nadadeiras são na maioria transparentes. No entanto, a maioria dos espécimes tem listras sutis de azul iridescente nas pontas das nadadeiras. O pequeno detalhe cria um efeito bonito na luz.

O resto do corpo é vermelho-alaranjado. A única exceção é uma mancha preta na nadadeira caudal. 

Na natureza, os tetras rubi são bastante vívidos. Embora ainda bonitos em cativeiro, a maioria dos peixes sofre algum embotamento.

Pleco Vampiro L-240: Guia Completo para CuidadosPleco Vampiro L-240: Guia Completo para Cuidados

Nota do Autor: Machos e fêmeas parecem quase idênticos. A principal diferença entre os dois é o tamanho e a circunferência geral. Os machos tendem a ser ligeiramente menores. Além disso, as fêmeas exibem uma forma mais arredondada em torno da seção média.

Expectativa de Vida

Em boas condições de vida, a expectativa média de vida de um tetra rubi é entre cinco e dez anos.

Como sempre, não há garantias quanto à expectativa de vida. Doenças inesperadas e genéticas poderiam encurtar suas vidas. Dito isso, a qualidade dos cuidados que você provê tem um impacto enorme em sua expectativa de vida potencial.

Fornecer cuidados de primeira linha pode reduzir as chances de doenças aquáticas comuns, permitindo que seus tetras rubi alcancem o final de suas vidas naturais mantendo-se saudáveis. Felizmente, esta espécie de água doce é bastante fácil de cuidar (mais sobre isso mais tarde).

Tamanho Médio

Estes peixes estão na extremidade menor do espectro de tamanho. O tamanho médio de um tetra rubi adulto não passa de 1,6 polegadas de comprimento. É muito comum que muitos nunca alcancem esse comprimento.

Nota do Autor: Devido à sua pequena estatura, estes são ótimos peixes nano para pequenos aquários. No entanto, você deve ter cuidado com ambientes comunitários e possíveis predadores. Esses peixes se tornam alvos muito rapidamente!

Cuidados com o Tetra Rubi

No geral, o cuidado com o tetra rubi não é mais desafiador do que qualquer outra espécie de tetra. No entanto, eles têm algumas necessidades únicas que você deve abordar. Esses peixes de água doce são menores e mais delicados do que outras espécies no comércio, resultando em desafios distintos a cada vez.
Felizmente, superar esses problemas é moleza se você seguir as seguintes diretrizes de cuidados.

Tamanho do Aquário

A primeira coisa de que você vai precisar é de um aquário de tamanho apropriado. A maioria dos especialistas concorda que o tamanho ideal do aquário de tetra rubi não deve ser menor do que 10 galões.

Nota do Autor: Tecnicamente falando, peixes individuais podem se sair bem em aquários menores. No entanto, tetras rubi são uma espécie de cardume. Para viver confortavelmente, eles devem permanecer em grupos de pelo menos seis peixes. Um aquário de 10 galões é o suficiente para abrigar até dez peixes.

Se você quiser manter mais do que isso, vá maior! Esses peixes podem criar exibições deslumbrantes em grupos massivos.

Ludwigia Repens: Guia para Cuidados com Esta Planta de AquárioLudwigia Repens: Guia para Cuidados com Esta Planta de Aquário

Parâmetros da Água

Uma das partes mais importantes de fornecer excelentes cuidados ao tetra rubi é replicar as condições da água do seu ambiente natural.

Esta espécie vem de riachos e tributários de água preta. Eles preferem águas quentes que são ricas em nutrientes. Leve acidez e água relativamente macia são preferidas.

Tetras rubi em cardume

Ao contrário de outros tetras, os rubis podem ser um pouco exigentes. Lembre-se, eles vêm de apenas um corpo d'água na América do Sul. Como resultado, esta espécie não tem a robustez que outras têm.

Mantenha os parâmetros da água sob controle e use um kit de teste de água de aquário regularmente para garantir que as condições estejam estáveis.

  • Temperatura da água: 20°C a 28°C (vise os 70°F baixos)
  • Níveis de pH: 5,0 a 7,0 (incline-se para água ácida)
  • Dureza da água: 3 a 12 KH

O que colocar no aquário deles

Quanto a decorações, você tem muita folga! Mais uma vez, manter-se fiel ao ambiente natural deste peixe é o melhor, mas existem muitas maneiras diferentes de chegar lá.

Comece com uma camada de substrato de areia. A areia se assemelha muito ao silte e lama do leito do rio. Os tetras rubi raramente se aventuram até o fundo do tanque, pois ficam nas partes superior e média da coluna d'água. No entanto, a areia proporcionará uma superfície macia para descansar se eles explorarem as profundezas do seu tanque.

Sobre o substrato, adicione algumas decorações naturais. Você pode colocar algumas peças de madeira em deriva, pedras lisas e outras peças orgânicas.

Nota do Autor: Muitos aquaristas recomendam jogar algumas folhas de amêndoa indiana no substrato também. As folhas se decomporão lentamente e liberarão taninos na água. Isso não só ajuda a baixar o pH, mas também recria a folhagem que reveste as profundezas do habitat natural deles.

Outro essencial são as plantas. Os tetras rubi adoram nadar através de plantas. Eles também as usam para proteção e conforto.

Adicione uma mistura de plantas flutuantes para criar um ambiente vivo. Certifique-se de deixar bastante espaço aberto para natação.

Mbu Puffer Fish: Guia de Tamanho do Tanque e CuidadosMbu Puffer Fish: Guia de Tamanho do Tanque e Cuidados

Para equipamentos, você pode manter as coisas simples. Utilize um sistema de filtragem padrão que produza um fluxo de água lento. Tetras rubi também preferem ambientes fracamente iluminados, o que as plantas podem ajudar a criar.

Possíveis Doenças Comuns

Os tetras rubi não são imunes a doenças. Eles podem sofrer de todos os males habituais que atingem espécies de água doce.

Algumas das doenças mais comuns a se observar incluem Ichthyophthirius (ictio), flukes de pele, infecções bacterianas e infecções parasitárias.

Na maioria dos casos, essas doenças aparecem por estresse e más condições de vida. Mantenha os parâmetros da água e faça o possível para mantê-los o mais estável possível. Os tetras rubi podem lidar com alguma flutuação leve aqui e ali, mas mudanças significativas certamente causarão alguns problemas de saúde.

Nota do Autor: Se você perceber que um de seus peixes está com dificuldades, coloque-o em quarentena. Muitos dos problemas de saúde comuns são fáceis de tratar com medicamentos de venda livre.

Alimentação e Dieta

Esses peixes parecem pequenos e inocentes. Mas na natureza, eles são considerados micropredadores. Eles se alimentam de pequenos invertebrados, insetos e qualquer coisa pequena o suficiente para caber na boca.

Em cativeiro, é melhor alimentá-los com uma dieta variada que consiste em alimentos ricos em proteínas. Flocos e péletes pequenos funcionam muito bem.

No entanto, é uma boa ideia incluir alguns alimentos vivos também. Os tetras rubi comerão com prazer Artemia, microvermes, Tubifex, minhocas do sangue picadas, e náuplios de Artemia. Eles aceitarão alimentos liofilizados, congelados e até vivos.

Alimente seus tetras rubi algumas vezes por dia. Para evitar estragar a água, forneça apenas alimento suficiente para que seus peixes possam comer em cerca de dois minutos.

Comportamento e Temperamento

Os tetras rubi são peixes pacíficos que não querem nada além de brincar e se divertir.

Eles são uma espécie de cardume. Isso significa que eles se reúnem para explorar o tanque. No entanto, os peixes às vezes saem e fazem sua própria coisa.

Alguns tetras rubi nadando em um aquário de água doce

Naturalmente um pouco tímidos, os tetras rubi podem demorar um pouco para sair de sua concha. Isso é especialmente verdadeiro se houver outros peixes no tanque. Eles podem ficar um pouco ansiosos quando introduzidos pela primeira vez em um novo ambiente.

Dê a eles algum tempo e espaço. Eventualmente, os tetras começarão a mostrar comportamentos mais amigáveis.

Você pode vê-los nadando através de plantas e se escondendo nas sombras. Quando há um grande grupo, esses peixes nadarão por todo o ambiente como um só.

Nota do Autor: Com muitos tetras rubi no mesmo tanque, você pode ver grupos menores se formando. Grupos de machos às vezes podem criar territórios definidos que defenderão. Quando isso acontece, não se surpreenda se você ver alguma escaramuça leve.

Companheiros de Tanque do Tetra Rubi

Embora o tetra rubi seja um peixe pacífico, você tem opções limitadas de companheiros de tanque.

O pequeno tamanho desses peixes os torna alvos instantâneos. Mesmo em uma comunidade de habitantes não agressivos, os tetras rubi podem ser confundidos com comida.

Sua melhor aposta é manter tetras rubi em grandes grupos. Eles prosperam quando rodeados por outros da mesma espécie. Um grupo de pelo menos seis peixes é obrigatório, mas você sempre pode ir além.

Além de outros tetras rubi, você pode tentar:

Reprodução

A reprodução de tetras rubi não é tão complicada. Em tanques maduros, o desove às vezes ocorre naturalmente sem qualquer intervenção!

No entanto, aqueles que buscam maximizar as taxas de sobrevivência devem reproduzir esses peixes em um tanque separado. Os tetras rubi não protegem ovos nem mostram quaisquer instintos parentais, então você deve proporcionar alguma separação entre os adultos e as crias.

Em um tanque separado de 10 galões, crie um ambiente semelhante ao do aquário principal. Adicione muitas plantas de folhas finas. Os tetras rubi são desovadores por dispersão, então você precisa das plantas para dar proteção.

Também é recomendado um pouco de folhiço. Os detritos têm micro-organismos dos quais as crias podem se alimentar assim que emergirem do ovo.

Mantenha as luzes baixas e aumente a temperatura alguns graus acima da do tanque principal. Ao adicionar peixes adultos, use mais fêmeas do que machos. 

Não deve demorar muito para ocorrer a reprodução. As fêmeas espalharão seus ovos por todo o tanque. Quando isso acontecer, remova os adultos e deixe os ovos incubarem em paz.

Depois de alguns dias, os ovos chocarão e comerão o saco vitelino. Assim que forem grandes o suficiente, você pode fornecer infusórios, náuplios de artemia e ração em pó para peixes.

Conclusão

O cuidado com o tetra rubi é bastante gerenciável, não importa quanta experiência você tenha. Esta espécie de água doce tem manutenção relativamente simples e é muito divertida de observar!

Esperamos que você considere este peixe para o seu próximo aquário de água doce. Se você tiver alguma dúvida, é só nos dizer!

Ana Santos

Ana cultivou um fascínio por aquariofilia desde pequena. Com um olhar atento e uma paixão por peixes, ela criou seu próprio santuário aquático em casa. Hoje, Ana é uma referência na comunidade de aquariofilia brasileira, compartilhando seu conhecimento e promovendo a preservação dos ecossistemas aquáticos através de workshops e palestras. Com dedicação e amor, Ana transformou sua paixão em uma jornada de aprendizado e descobertas constantes no mundo subaquático.

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go up

Usamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar usando este site, assumiremos que você concorda com isso. Mais informações